Treze Tílias: história e tradição


A história abaixo pretende revelar aos brasileiros uma cultura que 80 anos depois de implantada em solo brasileiro, continua fielmente preservada. Treze Tílias (SC) nasceu de um projeto de colonização austríaca, o único que deu certo no Brasil. Conhecida como capital catarinense da escultura em madeira, o pequeno vilarejo se destaca e atrai turistas de todo o país, da América, da Europa, do mundo...
Do idioma alemão às comidas, das danças e músicas à arquitetura das casas, tudo em Treze Tílias é cuidadosamente preservado.

E tudo começou no ano de 1933. Mundo entre guerras. Pobreza, destruição, desemprego, falta de alimentos e de recursos formavam o cenário da Europa. A saída que alguns países encontraram para acabar com o sofrimento e salvar a população foi a imigração. Reconstruir sonhos em outras terras. No Brasil, inúmeras cidades foram colonizadas por espanhóis, italianos, alemães fugidos da guerra. Famílias que arriscaram a sorte e mergulharam no desconhecido. Saíram do país de origem para tentar a vida em outro canto. Alguns pertences em uma mala e muita coragem para enfrentar o novo desafio: uma terra onde pudessem recomeçar e deixar as imagens da guerra distantes, só na lembrança.  
Foto: Arquivo Treze Tílias
Os personagens do cenário devastado pela guerra espalharam sua cultura pelo mundo.  Na maioria dos lugares, ela encontrou terra fértil para se propagar e é preservada pelas gerações até os dias de hoje. O Brasil é um exemplo de diversidade cultural. Do sul ao norte, os costumes e os sotaques; de um estado para outro as festas, danças e culinária. Estar nos cantos do Brasil faz parecer estar em diversos países, todos com uma carga de cultura que dá gosto conhecer. Em Santa Catarina, de cidade em cidade, o modo de vida de cada família revela os traços deixados pelos imigrantes.  

 Um pedacinho da Áustria no Brasil
Preocupado com a situação da Áustria, o então ministro austríaco da Agricultura, Andreas Thaler, desenvolveu um projeto de imigração. Apoiado pelo governo do país, Thaler visitou a América Latina por algumas vezes em busca de um lugar seguro para seu povo. Depois de escolher um cantinho em terras brasileiras, o ministro reuniu cerca de 80 pessoas, agricultores em sua maioria e juntos partiram para o novo povoado, um pedaço de chão que chamaram Dreizehnlinden (Treze Tílias).
Localizada no meio oeste de Santa Catarina, a 470 km de distância da capital Florianópolis, o município tem em torno de seis mil habitantes.  Os imigrantes chegaram a Treze Tílias em 13 de outubro de 1933. O nome da cidade foi inspirado no poema de Wilhelm Weber, o preferido de Andreas Thaler. Tílias é uma árvore originalmente do hemisfério norte, que foi aclimatizada e já pode ser encontrada em Treze Tílias. E assim nasceu um pedacinho da Áustria no Brasil, como é conhecida a pequena Dreizenhlinden, do resultado de uma imigração austríaca que sustenta a cidade até hoje.
Em um cantinho, junto aos seus pertences, os imigrantes agricultores conseguiram colocar na bagagem muito mais que a experiência de trabalhar com a terra. Arrumaram um espaço e trouxeram também a dança. Grupos típicos para todas as faixas etárias, todos usam trajes austríacos: os homens de chapéu verde com penas ao lado, formam pares com mulheres de vestidos típicos. Elas também usam um colar de Edelweiss, a flor do amor, encontrada no alto das montanhas e que dura mais de cem anos depois de arrancada. As músicas alemãs embalam os restaurantes enquanto apreciam o cardápio típico. Trouxeram também a Banda dos Tiroleses formada na viagem, no navio e que ainda hoje faz parte das festas de outubro, quando o município comemora o aniversário. O idioma alemão é falado no dia a dia entre as famílias e também a língua ensinada nas escolas do município.

Muitos descendentes de austríacos vão para a Áustria trabalhar e depois retornam.  A cidade tem o Vice Consulado da Áustria. Logo ao lado da sede, fica o Castelinho. A primeira casa de Andreas Thaler, hoje o museu histórico. Nele ficam os pertences das primeiras famílias de imigrantes. Em Treze Tílias ao passar pelo portal de entrada da cidade, pode-se perceber que tudo ali pertence a uma cultura diferente da brasileira. As flores cuidadosamente plantadas embelezam a paisagem o ano todo.  O estilo austríaco presente nas casas, o campanário e o sino nos telhados. Tudo preservado. Uma herança que não se perdeu. As pequenas montanhas e o clima semelhante ao Tirol, estado da Áustria, foram terreno fértil para brotar uma cultura que passa de geração para geração.    
 Foto: Arquivo Treze Tílias

Comentários