Treze Tílias: cotidiano, herança e valores*

Entre canteiros de flores, ruas calmas. Campanário nos telhados e cheiro de madeira esculpida pelo ar. Por aqui, as mulheres carregam um colar com a flor Edelweiss no pescoço e os homens usam chapéu tirolês. Danças, músicas, comidas típicas à mesa e no diálogo, palavras em alemão. Heranças trazidas na bagagem de imigrantes austríacos em 1933. Uma tradição que faz parte da cultura familiar de Treze Tílias (SC) há mais de 80 anos.

Quando os raios de sol apontam por detrás dos morros, a cidade acorda. Começam os primeiros movimentos de carros e pessoas. Tranquilamente iniciam mais um dia de trabalho. Quem não vai para as indústrias e para os setores públicos, segue para o comércio. Grande parte dos trezetílienses dedica o dia ao turismo. Mas, antes mesmo dos raios de sol, pelos arredores da cidade, agricultores saem da cama para ordenhar vacas e cuidar da terra. Sustentam a família, os vizinhos, o centro urbano. Sustentam muitas cidades brasileiras. Faça chuva ou faça frio. Seja domingo ou segunda-feira.

Então, quando os ponteiros marcam meio dia, as portas são fechadas e no sentido inverso de como o dia começa, todos voltam para casa. Almoçam em família e seguem para mais uma tarde de trabalho. São regras bem-vindas de cidades pequenas, de um cotidiano tranquilo e sem estresse que chegam causar inveja aos grandes centros urbanos.


Não é somente as características de cidade pequena e os traços deixados pelos imigrantes que tornam Treze Tílias um bom lugar de conhecer e viver. Os motivos vão além. São pequenos gestos humanos que a deixam quente mesmo em dias de inverno. É que aqui as pessoas ainda se olham nos olhos. Elas abraçam. Cumprimentam estranhos na rua. Abrem a porta e oferecem um chimarrão. Aqui, existem famílias que preservam valores e jovens que se esforçam para um futuro melhor. É nisto que confiamos todos os dias.






Fotos: Keila Zanatto
______

*Texto escrito para o Caderno Especial Viver SC dos jornais Diário Catarinense, A Notícia e Jornal de Santa Catarina. Publicado em 30/07/2013.

Comentários